Oscar Araripe



Oscar Araripe
Biografia
Algumas Obra

Todas as informações foram enviadas pelo artista



Conheça os artistas que já estão no site. Clique aqui...

Biografia


Vida, Literatura e Afins

Oscar Araripe nasceu na Tijuca, Rio de Janeiro, em julho de 1941. A mãe cearense e o pai gaúcho logo foram morar no bairro proletário do Encantado, onde o pai, médico, e a mãe, professora, exerciam suas profissões.
Desta época o autor lembra os ecos rudes da guerra - a difteria, o carro a gasogênio, o começo da miséria que há muito se abatia sobre os povos do mundo. Rebelde, sonhador, tem péssimo desempenho escolar, sobrevindo-lhe doença quase fatal. Depois, mais saudável, descobre as alegrias de uma meninice solta e suburbana, ao lado de belas fruteiras e morros e campos de futebol. Ali, naqueles quintais, aprende os ventos pelas pipas, o gosto da fortuna aliado à audácia, a sociabilidade independente, a grande beleza do pequeno. E do grande. O universo na bola de gude. Lê Júlio Verne, o Robin Hood, o Robinson Crusoé, os Três Mosqueteiros, os heróis dos quadrinhos americanos. “Os mais belos quadros eu vi nos “quadrinhos”. “Muitos de meus gestos aprendi e exercitei fazendo e soltando pipa” - iria mais tarde declarar.
Depois, subitamente, os pais mudam-se para Ipanema e Oscar Araripe pula das pedras do Arpoador, freqüenta a Praia do Diabo e toma chope no Jangadeiros. É a Ipanema de antes da Garota: os anos 60,e a política toma conta de tudo, parecendo poder salvar a própria vida. O autor entra para a Faculdade Nacional de Direito. Sobrevém o golpe de 64.
Faz parte do CACO-Livre. É cassado. Viaja aos Estados Unidos, como bolsista da Interamerican University Foundation, em 66 e 68. Freqüenta seminários, a Harvard Square e o convulsionado Campus da Universidade de Harvard. A América mesma está convulsionada: a guerra do Vietnã e a luta pelos direitos civis. Araripe interessa-se pelo teatro. Escreve ensaio sobre o teatro Americano contemporâneo. Ganha viagem à França. Volta ao Brasil. Traduz Peter Brooks, "O teatro e seu Espaço", para a Vozes. Adapta e encena, em Ouro Preto, com Maria Fernanda e Othon Bastos, O Romanceiro da Inconfidência, de Cecília Meireles. Escreve "O Enviado da Transilvânia", sátira para teatro em três atos. É punido pela Censura Federal em episódio que origina a Greve do Teatro. Interessa-se pela pessoa humana. Milita na AP e escreve o ensaio "Breve Estudo Introdutório aos Personalismos", que lhe vale bolsa de estudos na Universidade Pró Deo, de Roma.
Aí escreve para publicações brasileiras. Viaja pela Europa. Organiza, com outros, passeata em Roma contra o AI 5. Volta ao Brasil, 1969. É críticoteatral, editorialista cultural, colunista, redator e repórter do Correio da Manhã, Última Hora e Jornal do Brasil. Edita, com Augusto Rodrigues, o jomal Arte e Educação. É membro fundador da Sociedade Internacional de Educação Através da Arte (INSEA). Viaja a convite à Polônia, à Alemanha, à China. Publica "China: O Pragmatismo Possível" pela Artenova, alcançando grande sucesso. 1975 - É citado na Bibliografia do Novo Dicionário Aurélio. Deixa o jornalismo. Faz literatura. Participa de Poemação, com Roberto Moricone, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Publica "Maria na terra de meus olhos", pela Rocco, com prefácio de Antônio Houaiss e Eduardo Portella. É verbete na Enciclopédia da Literatura Brasileira, de Afrânio Coutinho.
1976 - Oscar Araripe passa a morar por 13 anos em Mirantão, MG.
1982 - Publica "Marta, Júpiter e Eu" pela Marco Zero, com prefácio de Márcio Souza. Dele diz Marcelo Rubens Paiva, em Veja, em agosto de 1983:"Uma carta de amor à natureza e, sobretudo, às mulheres".
1984 - Escreve "Eu Promeu", alentada prosa, finalmente com 400 páginas, e com a qual encerra sua trilogia literária. Como calígrafo e desenhista faz 12 "transcrições visionadas" de inscrições rupestres do Brasil, a que chama Pilares. Conclui o pilar Oui Xiang-Xing Oui.
1988 - Expõe na Galeria Olívia Kann, em Ipanema, paisagens e O Pilar do Areião.
"Coloquei sobre a mesa aqueles duzentos e tantos desenhos, feitos com uma incrível mistura de materiais - acrílico, pastel, tinta industrial, bico de pena, markers - sobre um inusitado papel vegetal. Fui passando um a um como páginas de um livro. Esta aproximação que faço com o texto não é absurda, afinal Oscar Araripe, autor e animador teatral, personagem de 64 e 68, autor de um livro de sucesso sobre a China e desde 1975 romancista, desenha e pinta um pouco como escreve, esplendidamente e de um jorro só. E, devo confessar, foi uma viagem delirante como se, careta como sou, tivesse feito minha primeira viagem" - diz Frederico Moraes.
"Oscar Araripe...um clarão aberto na jungle da pintura" - diz Jean Boghici.
"De seus pincéis luminosos brotam visões totalmente novas de nosso patrimônio barroco e da paisagem mineira dominada pelas montanhas"- diz Hélio Carneiro, em Manchete.
 

Biografia em Inglês

Oscar Araripe www.oscarararipe.com.br comes contributing for the renewal of the painting, as much for its original, alive, glad, spontaneous and unusual trace and colors, as for the use of an unusual nautical cloth as painting support - and for the use of tubular structures as frame, wich allow him to exhibit continuousily outdoors and directly to the public at large.
Opening new spaces for the painting, Araripe shows in 19991, in Brasilia, Brazil, in the Villa-Lobos Room of the National Theater and in 92, in Arpoador, in Rio de Janeiro, the Pillar of the Uaupés, an original cultural tribute.
Its panels on Tiradentes, shown in April of 1992, simultaneously in the gardens of the Museum of the Republic, in Rio de Janeiro, and in the patio of the Museum of the Inconfidência, in Ouro Preto, during the Tiradentes Bicentennial Festival, later had been showed in the Mineiro Museum, in Belo Horizonte. Still in 19 92, he shows Kites, in the Cultural Center Bank of Brazil, in Rio, and in June, in the Botanical Garden, Extinction Never More, in Eco-92 UN Conference, and seen by a public esteem in 2 million people. In July of 93, opening the Festival of Winter of Ouro Preto, he shows Kites of Freedom, in Opuro PretoTiradentes Large Square and, in december, Natividade, in the Oscar Niemeyer little chapel of Brasilia. Still in 93 he paints Ouro Preto, showing 16 canvases in the Foundation of Art of Ouro Preto and in the Villa Rizzo, in Rio.
"Nobody painted Ouro Preto so prettier, so radiating - and looks at that it is not easy to find the brightness under the weight of History" - says Gustavo Square in Capinando the River.
His landscapes, flora, animals and erotics, and also his visionary transcriptions of the Brazilian archaic art was analised by consecrated names of the critical world, the journalism and the culture, such as Frederico Moraes, Jean Boghici, Alberto Beuttênmuller, Walmir Ayala, Augustus Marzagão, Luis Galdino, Milton Ribeiro, Marcio Cotrim, Fernando We read, Mario Margutti, Tertuliano of the Steps, Marylka Mendes, João Bosco de Castro Teixeira, Rubens Araújo, Helium Sheep, Gustavo Square, Jose Geraldo Heleno, Wilson Rasp, Oyama Alencar, Palhares Jr, Cherlânyo Barros de Castro, Manuel Garcia Noriega and Vicente Botin.
"His position, his way of life, his artwork composes an harmonic totality , to concur for certain for this inusual and happy truily fantastic, extraordinary overflow, that its painting reveals" - says Wilson Lima.
In March of 1994 he opens a personal gallery in Tiradentes – Minas Gerais, where he lives until now.
In April, during 7º anniversary of the Funrei, he exhibitTiradentes, the animous lieutenant, in São João del Rei. In July, opening the 7º Cultural Winter, showing Kites of São João, in some points of the city. In March of 1995 it carries through interactive painting with the children of Tiradentes, during the Cultural Week of the UFMG, showing the collective artwork Day and the Night, outdoors, in the Plaza of Forras. In July he inaugurates Tiradentes, the animous town, in the old Forum of the adorable little great city. In December of the same year he paints São João Del-Rei, exhibiting 14 canvases in the Regional Museum. In 99 he turns themselves toward the sea and he paints the Comprida Island, in the São Paulo coast, invited by the painter and cultural entertainer Odail Gomes -, and San Simeon, in the Central Coast of California, USA, inviting by the Niels Udsen couple. In 2000 he shows The Dance of Tamanduá-Bandeira, wons the World Art Award of Excellence, of the ArtSpace2000, and was invited to the World Art on Paper 2000 Festival, in Kranj, Eslovênia; and was agraciated by the 100 Top Art Sites and gains several international art prizes. In July and August of 2001 it shows in the Porto Seguro Museum, Bahia, Seascapes and Landscapes of Trancoso. In November was invited by the TriAmericas.com to exhibit Horse of America in Lincoln Center, in New York and Entities of America, in the Paul Robeson University, in New Jersey, USA. In 2002 he opens new personal gallery in the Historical City, in Porto Seguro, Bahia,- and the video Oscar Araripe, of Cesar Tolentino and Marinho Antunes, wons the V Movie Festival of Tiradentes. In 2003 was inveted to the IV Biennial of Firenze, Italy and carries through expositions in Toulouse, France and Madrid, Spain. In 2004, Araripe portraied landscapes of Ceará and the heroine Barbara de Alencar, his six grandmother. It also makes a definitive sketch of the portrait of Tristão Araripe, his fithy grandfather, the mártir and president of the Republic of the Confederation of the Equator. Still in 2004 he exhibit Flowers to the living in Rosa Girardi Gallery, Juiz De Fora, Minas Gerais and carries through the Ceará expositions, in the Cultural Center Oboé-Iracema, in Fortaleza City, and in the University of the Cariri, in Crato city.Realizes also exhibitions in 7 cities of Spain, including Madrid and Barcelona. In November of the same year it shows Bárbara and Iracema, two women of the Ceará, in Ceará Association of the Press. In March of 2005 ishows An American Springtime, in the Solange Rabello Art Gallery, Miami. In July he goes to the Festival of the Caribbean, in Santiago of Cuba, Cuba, where shows Caribbean Repetroglifos in the Céspedes Park. In 2006 exhibitTiradentes Revisited in the Solar of the Ramalhos, in Tiradentes colonial town, almost in front of his studio.
"Araripe, your painting for me is poetry. It has the beauty of the colors, the pureness and the joy of the children and the talent of the artist. Thus the true masters create "- Milton Ribeiro says.

Algumas Obras

Araripe 1

Araripe 1

Araripe 2

Araripe 2

Araripe 3
Araripe 3