O Homem da Meia Noite

História do Homem da Meia Noite 
  
                              %CURTIRTWITTER%   %CURTIRFACEBOOK%

  • 1º homem da meia note
  • nas ladeiras de Olinda
  • replica em comemoração dos 80 anos



        O atual Clube de Alegoria e Crítica O Homem da Meia-Noite, surgiu no carnaval de 1931, como uma dissidência de sócios da troça carnavalesca o Cariri de Olinda.


         O pintor de paredes Luciano Anacleto de Queiroz; o carpinteiro Sebastião da Silva; os encadernadores Cosme José dos Santos e Heliodoro Pereira da Silva, além do sapateiro, Manoel Joaquim dos Santos (Neco Monstro), todos olindenses, revoltados por não terem sido contemplados na chapa oficial da diretoria do Cariri, criaram a Troça Carnavalesca Homem da Meia-Noite.


         O nome foi inspirado pelo herói de um seriado de aventuras exibido, na época, no Cinema do Carmo, em Olinda: um detetive que saía de dentro de um relógio para prender criminosos.


         Para desbancar o Cariri, que tinha orgulho de abrir o carnaval de Olinda, desde o século XIX, o Homem da Meia-Noite saiu, no primeiro minuto do domingo de Momo, pelas ruas da cidade, antes do seu novo rival.


          Nos dois primeiros carnavais, de 1931 e 1932, a troça não contou com alegorias. Saiu apenas com o seu estandarte, bordado com um relógio marcando doze horas, e um boneco gigante confeccionado por Luciano Anacleto de Queiroz e Benedito Barbaça,  marceneiro e entalhador.


       Com a estrutura em madeira, o boneco original tinha a cabeça, o busto e as mãos em papel gomado e massa corrida para o acabamento, pintados numa tonalidade semelhante à da pele humana. Media 3,50 metros e pesava 50 quilos. Seus braços eram recheados de palha para colchão e, assim como os punhos e as mãos, continham areia para mantê-los em posição durante as evoluções. Para a confecção das roupas foram necessários mais de 22 metros de tecido.


       O carregador do boneco gigante o leva na cabeça, apoiado em uma almofada. Para que possa se orientar ao andar e dançar, a cintura do boneco fica na altura dos seus olhos, onde existe uma abertura (no local da braguilha da calça do boneco).

               

         O Homem da Meia-Noite foi carregado durante 57 anos pela mesma pessoa, o bonequeiro Cidinho, que nunca teve problemas em enfrentar o peso e o calor no interior da estrutura do boneco. A temperatura pode atingir mais de 40º, durante o desfile pelas ladeiras olindenses.


         Sua primeira sede ficava na Rua do Amparo nº 31. Atualmente, estálocalizada em frente à Igreja de Nossa do Rosário dos Homens Pretos, no bairro do Bonsucesso, na Marim dos Caetés. 

 
        O hino do clube, tanto a letra quanto a música, são de autoria do mestre Bernardino da Silva, que foi diretor da Banda 10 de Novembro, de Olinda.

         Desfilou sem interrupções de 1931 até 1949. De 1950 a 1953, no entanto, o clube não saiu principalmente por falta de recursos financeiros. A partir de 1954, ano de comemoração da Restauração Pernambucana, o então prefeito de Olinda, Alfredo Lopes, destinou verbas para o clube que voltou a desfilar sem mais interrupções até hoje.


        Desde a sua fundação, o Homem da Meia Noite mantém a tradição de desfilar pelo mesmo percurso, nas ruas da Cidade Alta, em Olinda, abrindo oficialmente à meia-noite do sábado de Zé Pereira, o carnaval da Marim dos Caetés.


       Seu calunga, o boneco gigante mais antigo a circular pelas ladeiras olindenses, foi escolhido por aclamação popular para ser o símbolo do carnaval 2006 e da cidade de Olinda, 1ª Capital Brasileira da Cultura.


         Em dezembro de 2006, o Clube de Alegoria e Crítica O Homem da Meia-Noite recebeu o título de Patrimônio Vivo de Pernambuco.


       Como Ponto de Cultura, a agremiação tem responsabilidade para com o fomento da cultura carnavalesca e da produção artística de Olinda.


Fonte: GASPAR, Lúcia. O Homem da Meia-Noite. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife.